quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Significado - Dia da Consciência Negra


O Dia da Consciência Negra é uma data celebrada no Brasil no dia 20 de Novembro. Este dia está incluído na semana da Consciência Negra e tem como objetivo um reflexão sobre a introdução dos negros na sociedade brasileira.
O dia 20 de Novembro foi escolhido como uma homenagem a Zumbi dos Palmares, data na qual morreu, lutando pela liberdade do seu povo no Brasil, em 1695. Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares, foi um personagem que dedicou a sua vida lutando contra a escravatura no período do Brasil Colonial, onde os escravos começaram a ser introduzidos por volta de 1594. Um quilombo tinha a função de lutar contra as doutrinas escravistas e também de conservar elementos da cultura africana no Brasil.
Em 2003, no dia 9 de Janeiro, a lei 10.639 incluiu o Dia Nacional da Consciência Negra no calendário escolar. A mesma lei torna obrigatória o ensino sobre diversas áreas da História e cultura Afro-Brasileira. São abordados temas como a luta dos negros no Brasil, cultura negra brasileira, o negro na sociedade nacional, inserção do negro no mercado de trabalho, discriminação, identificação de etnias etc.
Em inglês, a tradução literal de Dia da Consciência Negra seria "Black Awareness Day". No entanto, nos Estados Unidos e Canadá existe o "Black History Month" (Mês da História Negra), que é celebrado todos os anos em Fevereiro.

Feriado no Dia da Consciência Negra

Em 2011, a presidente Dilma Roussef sancionou a lei 12.519/2011, lei que criou a data, mas que não obriga que ela seja feriado. Isso significa que ser feriado ou não vai variar de cidade para cidade. O Dia da Consciência Negra é um feriado em mais de 800 cidades brasileiras.

Fonte: http://www.significados.com.br/dia-da-consciencia-negra/

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Dez pontos fundamentais para desmistificar algumas das grandes falácias sobre o holocausto

Solenidade em Homenagem às Vítimas do Holocausto Nazista 

Discurso proferido pelo professor Francisco Carlos, durante a sessão solene em Homenagem às Vítimas do Holocausto Nazista, organizada pelo Deputado Estadual Gerson Bergher, na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro. realizada em 19/04/2010.

O professor Francisco Carlos Teixeira é titular de História Moderna e Contemporânea da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). O professor é um homem cheio de títulos. Entre eles, um doutorado em História Social pela Universidade de Berlim. Professor emérito da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, Teixeira é uma das principais referências no meio quando o assunto são relações internacionais. 

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Breve História da 'Maquiagem'


A maquiagem é um item indispensável do mundo da moda. Ela é usada também em outros ramos além da estética: como por exemplo, no teatro e no cinema, e em alguns ritos religiosos.
A maquiagem para função estética começou a ser usada pelos egípcios que utilizavam khol*, e pintavam-se de maneira bastante original. O comércio do Egito com outros povos levou a maquiagem para a Grécia e Roma durante a Antiguidade Clássica. Em Roma, a mulher de Nero, Popeia Sabina, aderiu ao uso da maquiagem, tornando-se popular. Nesse período os cosméticos ainda não eram tão desenvolvidos o que os fazia bastantes arriscados, pois eles eram muito tóxicos e o uso prolongado causava envenenamento e envelhecimento precoce.

Foi com a revolução industrial (no século XIX) e a indústria de cinema (durante o início do século XX) que os cosméticos, principalmente a maquiagem se tornaram mais acessíveis a todas as camadas da sociedade.Na Idade Média a maquiagem deixou de ser valorizada, pois a Igreja condenava sua utilização: com o argumento de que os cosméticos criavam uma beleza falsa na aparência das pessoas e incitavam o pecado da luxúria. Somente no final da Idade Média, com o crescimento dos burgos, que os boticários popularizaram novamente a maquiagem. Na Renascença o uso de cosméticos como a maquiagem e o perfume se tornavam cada vez mais popular em toda Europa. A rainha Catarina de Médici aderiu fortemente o uso de cosméticos trazendo a moda da Itália (seu país de origem) para França (onde logo ganhou fama). Ao longo dos séculos o hábito de se maquiar era cada vez mais comum e aceito na sociedade, principalmente nas classes mais altas.
Nos dias de hoje, o uso de maquiagem tem sido muito valorizado. Principalmente por causa do desenvolvimento de novas técnicas no setor e também por sua facilidade de divulgação através dos meios de comunicação. A França e os Estados Unidos são destaques em todo o mundo no ramo.
Usar maquiagem se tornou muito comum em diversos povos. Por esse motivo, em muitas culturas, os homens aderiram ao costume de maquiar-se. Aqui no Brasil, é possível encontrar rapazes que aderiram a maquiagem corretiva e os lápis de olhos.

*Pó de khol é o produto de uma poeira preta condensada do qual é feito o Kajal, um lápis forte e macio. 

(Fonte: http://www.saudebeleza.org/maquiagem/a-historia-da-maquiagem/)

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

A RAPOSA E AS UVAS

A raposa e as uvas, ilustrado por Milo Winter,
em uma antologia de Esopo (1919).
Uma raposa que vinha pela estrada encontrou uma parreira com uvas madurinhas. Passou horas pulando tentando pegá-las, mas sem sucesso algum... Saiu murmurando, dizendo que não as queria mesmo, porque estavam verdes. Quando já estava indo, um pouco mais à frente, escutou um barulho como se alguma coisa tivesse caído no chão... voltou correndo pensando ser as uvas, mas quando chegou lá, para sua decepção, era apenas uma folha que havia caído da parreira. A raposa decepcionada virou as costas e foi-se embora de novo.
(FÁBULA DE ESOPO)
MORAL

  • Aqueles que são incapazes de atingir sua própria meta tendem a depreciá-la, para diminuir o peso de seu insucesso.
  • É fácil desprezar aquilo que não se pode alcançar.